Para Memorizar

Jesus ressuscitou dentre os mortos (At 2:24)

Palavra de Deus diz que sem visão o povo se corrompe (Pv19:18). Por isso, é muito importante enxergar os ensinamento que temos recebido dentro do cenário mais amplo do projeto Eterno e Deus e formar uma visão geral do todo. Antes de começar a montar um quebra-cabeça – por exemplo – é sempre bom dar uma boa olhada na figura que está na tampa da caixa. Isso ajuda a formar uma boa visão do todo para depois começar a juntar as peças. No nosso caso, precisamos ter uma visão clara do Projeto Eterno de Deus que foi concebido pelo Pai para cumprir seu Supremo Propósito. Os apóstolos e profetas do Novo Testamento receberam essa visão e a registraram nas Sagradas Escrituras, que hoje, juntamente com a iluminação do Espírito Santo, são nossos guias para a compreensão da vontade de Deus para toda a humanidade.

A Igreja original lançou suas bases de acordo com esse projeto e caminhou por muitos anos sobre seus trilhos, causando um grande impacto na sociedade de sua época. Infelizmente, como o passar dos séculos, ela foi perdendo a revelação inicial e procurou se estabelecer por princípios filosóficos e intelectuais e acabou se mesclando com o mundo, de forma que sua força e visão espiritual se perderam. Mas a Igreja não está à deriva. O Projeto Eterno e original ainda existe e Deus Pai e o Senhor Jesus Cristo, em seu desejo de ver a Igreja completar tudo aquilo para o qual foi projetada desde a eternidade, não deixam de olhar por ela e participar ativamente em seu desenvolvimento. Por meio do Espírito, Deus está fazendo uma obra em sua Igreja, adornando-a, preparando-a e capacitando-a para que ela cumpra Seu Propósito Eterno. Há um clamor do Espírito para uma volta á simplicidade original e uma separação radical do mundo. Precisamos orar e clamar ao Senhor para que abra nossos olhos e nos faça ver seu projeto e nos de poder do Espírito para alinharmos nossas vidas e ministérios à Sua perfeita vontade.

O Objetivo Supremo


Todo projeto tem um objetivo. Quando fazemos o projeto de uma casa, por exemplo, o objetivo é termos, ao final, uma casa pronta e habitável. O projeto da casa nos orientará durante a construção para que possamos atingir o objetivo proposto. No caso do Projeto Eterno de Deus, o objetivo é o cumprimento do Propósito Eterno de Deus. Ele envolve todo o plano para a realização daquilo que está no coração de Deus desde a Eternidade – Deus tem um Projeto para cumprir seu Propósito.

Deus não se move por acaso. Tudo que Ele faz tem uma razão, um objetivo, um propósito. O objetivo maior que está no coração de Deus e que por causa do qual Ele fez todas as coisas é chamado “o Propósito Eterno de Deus”. Descobrir qual é esse propósito e viver de acordo com ele, mudará o rumo de nossas vidas. Vamos, então, voltar nossa atenção para a eternidade, com coração sincero, e procurar encontrar em Deus, seu supremo propósito.

O mais perfeito relacionamento que existe está em Deus – entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A mais perfeita relação de harmonia, paz, amor, serviço, santidade e sujeição mútua. No coração do Pai havia um desejo de estender esse relacionamento sublime, espalhar Seu amor e ter uma multidão de filhos semelhantes ao Seu Unigênito. Deus queria uma família eterna para Ele, onde os filhos fossem semelhantes a Jesus e expressassem Sua vida e Sua glória. Esse é seu supremo propósito, que, por ser eterno, chamamos de “o Propósito Eterno de Deus”.

Ef 1:4-5 Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença. Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos, por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade.

Rm 8:28-29 E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos;

Por causa desse propósito Deus começou a executar um Projeto Eterno para a formação dessa grande família, da qual o seu Filho Unigênito seria o modelo, o cabeça, o centro e o Senhor. Ele decidiu, então, criar todo o Universo, e deu especial atenção a um planeta em particular, que foi especialmente preparado para abrigar seres vivos, entre eles o homem, que seria a semente dessa grande família.

Gn1:26-27 Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os grandes animais de toda a terra e sobre todos os pequenos animais que se movem rente ao chão”. Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

O casal original foi criado para ser o ponto de partida dessa grande família. Seria a primeira família da qual todas as famílias da terra surgiriam, enchendo a terra de pessoas semelhantes a Jesus. A paz, a alegria, o amor, a santidade e tudo mais que era inerente do relacionamento em Deus, deveria fazer parte dessa grande família e a glória do Senhor cobriria toda a terra.

O pecado, porém, interferiu nesse propósito corrompendo a natureza do homem e afastando-o de Deus. O homem perdeu a imagem e semelhança do Criador e, a partir daí, geraria filhos e filhas segundo sua própria imagem, propagando a herança do pecado de geração em geração. Isso o tronou inútil para o cumprimento do propósito de Deus e toda a humanidade ficou arruinada e afastada de Deus (Rm3:12).

Mas no projeto de Deus havia lugar para a salvação da humanidade. Um plano pelo qual o todo homem poderia ser restaurado e colocado novamente em condições de cumprir Seu eterno propósito. Esse plano se desenvolveu no Antigo Testamento e foi plenamente revelado no Novo Testamento com a vinda de Jesus, o filho de Deus, que resgatou a humanidade perdida e colocou os homens novamente no curso traçado desde a eternidade.

Vemos assim, que a salvação é parte do projeto, mas não é ela mesma o projeto, nem o propósito maior. Para saber mais sobre esse assunto, recomendo que você leia a apostila “o Propósito Eterno de Deus”, que estará relacionada ao final desse estudo, mas por enquanto, vamos continuar formando uma visão mais clara do Projeto Eterno.

Visão de Deus


Quando o profeta Habacuque precisava de uma resposta de Deus, tomou posto de sentinela, sobre a torre de vigia, na fortaleza da cidade e aguardou que o Senhor lhe falasse. Quem sobe a uma torre de vigia quer ver ao longe, quer ter uma visão ampla. Que tremendo significado há em um profeta na torre de vigia.

Habacuque 2:2 Então o Senhor me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna-a bem legível sobre tabuas, para que a possa ler até quem passa correndo.

O Senhor lhe respondeu, lhe deu uma visão e também disse: “escreve a visão”. Que importante é ter uma visão clara da parte de Deus. Tão clara que possa ser escrita. Escrever a visão é muito importante para que ela não seja distorcida ou alterada com o passar do tempo. Muita coisa pode se perder ou ser modificada no processo de comunicação de um para outro, , mas aquilo que está escrito tem a virtude de manter a fidelidade original. Assim, a visão escrita torna-se permanente.

Para que seja possível escrevê-la ela deve ser simples, sem complicações, para que mesmo aquele que ”passa correndo” possa ler. Não precisa ser muito complicada, teologicamente elaborada ou explicada de acordo com essa ou aquela corrente filosófica. A visão deve ser simples para que todos possam compreendê-la.

Outro fator importante é que se a visão vem de Deus, podemos ter certeza que ela vai se cumprir. Às vezes somos impacientes, queremos que tudo aconteça imediatamente, no nosso tempo, mas Deus tem Seu tempo. Tudo que Deus falou se cumprirá. È necessário ter fé (Hb11:1), ter certeza daquilo que esperamos no Senhor. Pode demorar, mas se cumprirá, pois Deus é poderoso para cumprir tudo o que prometeu.

Chegou um tempo onde a visão de Deus foi revelada a seus servos por meio do Espírito Santo. O mistério escondido por séculos, que fora revelado parcialmente aos profetas no Antigo Testamento, foi revelado em sua plenitude aos seus apóstolos e profetas nos tempos do Novo Testamento por meio do Espírito Santo. Felizmente eles escreveram essa visão, de forma muito clara e muito simples nas Sagradas Escrituras.

Um dos homens que mais clareza recebeu da visão de Deus foi o apostolo Paulo. Nas cartas que ele escreveu às igrejas, podemos perceber a compreensão que ele tinha da visão, a qual chamou de mistério – que esteve oculto, mas foi revelado. Dentre todas as suas cartas, a que contém maior teor de revelação do mistério de Deus é a carta aos Efésios.

Nela, o apóstolo “escreveu a visão”, de forma simples e clara, tornando-a permanente. São apenas seis capítulos, cinco páginas, e o conteúdo mais profundo que temos a respeito do Projeto Eterno de Deus para a humanidade.

O Mistério Revelado


Ef 3:1-11 Por esta razão eu, Paulo, o prisioneiro de Cristo Jesus por amor de vós, gentios, se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada; como pela revelação me foi manifestado o mistério, conforme acima em poucas palavras vos escrevi, pelo que, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, qual em outras gerações não foi manifestado aos filhos dos homens, como se revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas, a saber, que os gentios são co-herdeiros e membros do mesmo corpo e co-participantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho; do qual fui feito ministro, segundo o dom da graça de Deus, que me foi dada conforme a operação do seu poder. A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou, para que agora seja manifestada, por meio da igreja, aos principados e potestades nas regiões celestes, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor.

Esse texto nos mostra como Deus desvendou seu projeto aos homens e como pretende realizá-lo. Aqui encontramos quatro palavras chaves: mistério, revelação, conhecimento, anúncio (ou manifestação). Agora abordaremos apenas as três primeiras. A quarta está intimamente relacionada ao item “fazer discípulos”.

A primeira palavra é “mistério”.


Aqui não se trata de qualquer mistério, mas “o” mistério. O texto diz “o mistério de Cristo”, que em outras gerações não foi dado a conhecer aos filhos dos homens como agora. A palavra mistério vem do grego "misterion" que significa segredo, algo oculto ou escondido, que não é possível saber se o dono do segredo não o revelar. Nesse caso, Deus é o dono do mistério, pois ele estava “oculto em Deus” (se Deus oculta Nele alguma coisa, você não poderá encontrar, a menos que Ele mesmo Revele).

A grande maioria das pessoas não conhece esse mistério. Por isso, os homens, desde os temos mais remotos perguntam: “Existe Deus?” “Se Ele existe, é possível conhecê-lo?” “Quem é Ele?” “Qual o sentido da existência humana?” “Qual a vontade de Deus para a humanidade?” “Qual é seu propósito?” “Por que criou todas as coisas?” “Ele tem um plano para nós?”

Muitas pessoas já tentaram achar uma resposta (filósofos, místicos, religiosos, etc.). Surgiram muitas teorias, suposições, especulações, palpites, mas nada consistente ou verdadeiro foi produzido. É impossível saber a resposta, a não ser que o próprio Deus a revele, pois o mistério está escondido Nele.

Por isso, vamos à segunda palavra: “revelação”


Somente por revelação podemos conhecer o mistério oculto em Deus. Somente quando Ele mesmo revela. “Revelar” significa tirar o véu. Como num teatro, antes de começar a peça, ninguém sabe o que há atrás da cortina. Podemos até imaginar, discutir, conjecturar e podemos estar todos equivocados e todas as nossas idéias!

Mas quando a cortina se abre, é revelado o que estava atrás dela. Somente então podemos ver o que antes era impossível, pois o véu foi retirado e agora está revelado. Assim também com relação ao mistério de Deus. Antes estava oculto, mas agora, O mistério de Deus foi manifestado aos seus santos apóstolos no Espírito. A cortina se abriu de ponta a ponta e podemos ver!

Paulo diz: “como pela revelação me foi manifestado o mistério, conforme acima em poucas palavras vos escrevi”. Ele recebeu a revelação, a visão do mistério e resumidamente escreveu nos capítulos anteriores (1 e 2). O mistério todo foi revelado! Paulo viu e compreendeu pelo Espírito Santo o plano eterno de Deus! E ele escreveu! E hoje, através das Escrituras, nós temos o privilégio de poder também conhecer o plano, a vontade de Deus para a humanidade!

Isso nos leva a outra palavra: “conhecimento”


A cortina foi aberta. O véu foi retirado. Já foi revelada a vontade de Deus aos seus apóstolos e eles escreveram para que todos nós pudéssemos conhecer! Mas o conhecimento (ou compreensão) do mistério não está baseado na sabedoria humana, nem em religião, doutrina, ou interpretações. Ele é concedido pelo Espírito Santo. O véu exterior foi tirado e o mistério foi revelado. Agora é necessário retirar o véu interior de cada um de nós para que tenhamos compreensão do que lemos nas palavras dos apóstolos!

O mistério não está oculto em nenhum livro ou lugar nesse mundo. O Mistério está oculto em Deus. Para conhecer a Deus precisamos conhecer Cristo (e é o Espírito Santo quem nos revela Cristo). Quando conhecemos Cristo, o Filho, conhecermos também o Pai (por que o filho é a imagem do Pai). Esse é o único caminho para conhecer o coração do Pai: Cristo Jesus (porque em Cristo estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento).

Quando conhecemos a Cristo, vemos Nele revelado o mistério de Deus. Como conseqüência da revelação que temos de Cristo Jesus, nele conhecemos também a Igreja, porque a Igreja é o corpo de Cristo (Ef1:22-23). A Igreja é a expressão de Cristo nesse mundo, e só é possível conhecer a Igreja, conhecendo primeiro a Cristo. Ele é o cabeça do Corpo e nós somos os membros.

Por isso, perseguir a Igreja é perseguir a Cristo (Ex: Paulo). Amar a Igreja é amar a Cristo. Servir a Igreja é servir a Cristo. Dividir a Igreja é dividir a Cristo (mas Cristo não se divide, é contra sua natureza fundamental). Conhecendo Cristo, podemos compreender a Igreja, e olhando para a Igreja, olhando para os verdadeiros discípulos, podemos neles ver também a Cristo.

» Assim, esse mistério que está em Cristo pode ser resumido em uma só palavra: Igreja!

A Igreja é o Projeto Eterno de Deus. A realização do Projeto cumprirá o Propósito, pois a Igreja é o povo que Deus está formando para viver com Ele na eternidade. É Sua grande família eterna.

A Igreja não é aquilo que estamos acostumados. Não é o que normalmente se entende como igreja hoje (escândalos, exageros, religiosidade, divisões, prédios). Igreja não é prédio, não é um lugar, não é instituição, não é denominação religiosa. Igreja é povo, é gente. Igreja é família. Igreja é o corpo de Cristo.

A Palavra Igreja é uma palavra muito preciosa para o coração de Deus, Pois nessa palavra estão investidos todos os planos de Deus. Esse mistério não somente esteve oculto no Antigo Testamento, mas mesmo quando veio Jesus, Ele não falou muito sobre a Igreja. O Centro da Sua pregação era o Reino de Deus, em todas as cidades e aldeias. A boa notícia do Reino. Ele só usou a palavra Igreja duas vezes, em Mt16 – “edificarei a minha igreja” e Mt18 – “leva-o a igreja”. Mas em todo o seu ministério ele pregou primordialmente o evangelho do Reino de Deus.

Isso nos ensina duas coisas:

1. Se quisermos ver surgir a verdadeira Igreja, temos que pregar o Reino de Deus. A pregação do Evangelho do Reino de Deus produz Igreja.

2. Deus, em seu propósito, reservou a revelação de Igreja para ser dada aos apóstolos não por Jesus, mas pelo Espírito Santo. “revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas” (Ef3).

A Igreja, através da operação do Espírito Santo em cada um dos filhos de Deus, é responsável pela expressão e realização da vontade de Deus diante da humanidade.

Qual é a vontade de Deus


Paulo disse que poderíamos perceber qual sua compreensão do mistério de Deus nas palavras que escreveu no início da carta aos Efésios, e o centro de sua visão está nos versos 9 e 10 do primeiro capítulo:

Ef 1:9-10 Fazendo-nos conhecer o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que nele propôs para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra.

A vontade de Deus não é mais um mistério para nós, pois Ele nos fez conhecer (desvendou) o mistério da sua vontade: “fazer convergir em Cristo todas as coisas”. Para compreender isso de maneira mais ampla, vamos entender melhor a expressão “fazer convergir”.

No texto grego, encontramos aqui uma única palavra: anakefalaiostai, onde “ana” significa novamente, outra vês; “kefale” significa cabeça; e “stai” significa fazer. Daí temos: “fazer”+”novamente “+”cabeça”. Encaixando tudo no texto temo:s fazer Cristo novamente o cabeça de todas as coisas. Voltar a unir tudo debaixo da autoridade de Cristo, o Cabeça.

Deus não criou a humanidade na situação que está na atualidade. Ele não projetou o pecado e a desordem. No principio tudo estava unido, em harmonia, o universo, o homem, a mulher e a natureza. Mas infelizmente o homem pecou, rompeu a unidade com Deus e desmantelou tudo, trazendo morte, mentiras, brigas, guerras, imoralidades, doenças, injustiças, sofrimento e muitas outras conseqüências.

Mas Deus se propôs trazer ordem, harmonia e paz novamente atraindo todos a Ele, voltando a unir tudo debaixo de um cabeça, de um Senhor: Jesus Cristo, Seu filho!

Ef 1:22-23 e sujeitou todas as coisas debaixo dos seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como o cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que enche tudo em todos.

O que é a Igreja?


A igreja é aquela parte da sociedade que hoje está em Cristo. São Aqueles que são cheios de Jesus e estão aprendendo a ser como Ele. Aqueles que têm a Cristo como cabeça, como Kyrios, como Senhor. A Igreja é um povo onde:

• Os inimigos se tornam amigos.
• O homem, em Cristo se reconcilia com Deus e com seu irmão.
• Os maridos, que tem a Cristo como seu cabeça, amam suas esposa como Cristo amou a Igreja e dá a vida por ela.
• As esposas, que tem a Cristo como seu cabeça, se sujeitam a seus maridos.
• Os filhos obedecem aos pais no Senhor.
• Os discípulos aprendem a amar-se uns aos outros, como Cristo os amou.
• As famílias são restauradas.
• As pessoas amam os inimigos.

• É unidade, comunidade, comunhão, família, paz, abraço de irmãos, A LUZ do MUNDO.

Essa é a resposta de Deus para todos os problemas da humanidade. Num mundo repleto de violência, corrupção, imoralidade, Deus levanta sua Igreja como um estandarte e diz: “Vejam! Esta é a minha proposta! Assim é o reino do meu Filho amado!”

Como seria o Brasil se, desde o presidente até o mais simples cidadão, todos vivessem conforme a vontade de Deus? Se todos amassem ao próximo como a si mesmos? Se perdoássemos uns aos outros como Ele nos perdoou? Se oferecêssemos a outra face quando agredidos? Se fôssemos os primeiros em servir? Se falássemos a verdade uns para com os outros? Seria o fim das guerras, da ganância, da corrupção, da fome, etc.

Ah, mas Isso não é um sonho. Essa é a vontade de Deus. É o Projeto de Deus. Ele quer uma família assim. Ele deseja que todos os Seus filhos sejam semelhantes a Jesus e vivam como Ele viveu. E Ele nunca desistiu desse projeto. Antes, trabalha continuamente, através do Espírito Santo, para ver Cristo formado em cada um dos discípulos. Através de Cristo Jesus, Deus estabelecerá novamente Seu reino de amor sobre os homens.

O Evangelho do Reino


Dentro do Projeto Eterno de Deus, qual foi a providencia que Ele tomou para voltar a unir todos debaixo de um único Cabeça? A resposta é: “o Evangelho do Reino”! Por meio dele, Deus coloca todos debaixo do governo de Cristo. Não há outra mensagem, não na outra palavra, não há outro caminho para realizarmos essa tarefa. Esse foi o evangelho que Jesus pregou e é esse evangelho que devemos pregar (Mt 9:35, 24:14; Lc 4:42-43, 8:1, 9:1-2, 10:1,8-9, Mt 5:2-3, 5:33, 7:28-29, 13:18-19,24,31,33,44,45,52; 20:1, 22:2)

O Reino de Deus


Reino é uma forma de governo na qual a maior autoridade está na pessoa do rei. Esse governo se estende sobre todos os territórios e pessoas que estão debaixo do domínio desse rei. Assim, Reino de Deus significa governo de Deus. Ele é o rei absoluto do Universo por direito inerente, por ser seu criador, dono e sustentador. Ele é a autoridade suprema sobre tudo que existe, sobre o que é visível, e o que é invisível, sobre a criação, os anjos, a humanidade, a história, as nações e os eventos futuros.

O homem é um ser criado por Deus com responsabilidade moral e capacidade de decisão. Ele é responsável por obedecer consciente, voluntária e inteligentemente a palavra de Deus, reconhecendo e acatando, desse modo, o reino de Deus sobre sua vida.

A entrada do pecado já na infância da humanidade tornou o homem independente e afastou o governo de Deus da sua vida. Ele rejeitou o governo de Deus e decidiu mandar na sua própria vida, ser dono de si mesmo. As trágicas conseqüências dessa decisão vieram logo em seguida: mentiras, homicídios, vinganças, disputas, etc. E a correnteza segue forte até os dias de hoje. O pecado é a “doença hereditária” fatal, o veneno mortal que circula nas veias de todo ser humano, do qual é impossível ele se libertar.

Jesus, o “Kyrios”


Para corrigir o desvio causado pelo pecado, Deus enviou seu Filho ao mundo, na pessoa de Jesus de Nazaré. Ele iniciou sua obra anunciando a chegada do reino de Deus e ordenando aos homens que abandonassem sua vida independente de Deus e se sujeitassem a seu governo.

Mc 1:14-15 Ora, depois que João foi entregue, veio Jesus para a Galiléia pregando o evangelho do reino de Deus e dizendo: O tempo está cumprido, e é chegado o reino de Deus. Arrependei-vos, e crede no evangelho.

Ao contrário de Adão, Jesus foi totalmente obediente ao Pai, dependendo Dele em todas as coisas: nas curas, nas pregações, nos milagres, em tudo. Ele concluiu seu ministério na terra entregando a vida para pagar o preço pelos pecados da humanidade. Por causa de sua plena obediência, triunfou sobre a morte e ressuscitou ao e terceiro dia pelo poder do Espírito Santo. E tendo subidos novamente aos céus, foi feito o Rei dos reis e o Senhor dos senhores.

Mt 28:18 E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra.

At 2:36 Saiba pois com certeza toda a casa de Israel que a esse mesmo Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.

Fp 2:9-11 Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

A palavra Senhor aplicada a Jesus, no texto grego, é "Kyrios", que significa Chefe, Dono, Amo, Senhor, a Máxima Autoridade. Isso quer dizer que o Reino de Deus chegou através de Seu filho Jesus Cristo. Ele é o Rei!
Assim, o evangelho do Reino de Deus apresenta ao pecador uma pessoa a quem ele deve se submeter (Jesus). Requer uma mudança de atitude (arrependimento). E vincula a salvação à fé e à obediência (Mt7:21-27, Mc16:16, Rm1:5,10:9-10).

A boa nova para todos os povos é essa: existe uma solução para a humanidade, uma cura para adoença mortal do pecado: cada ser humano deve reconhecer que é pecador, se arrepender, se sujeitar ao governo de Jesus Cristo e viver em obediência a Ele.

Essa é a mensagem que a Igreja deve pregar. Esse evangelho tira o homem da esfera de domínio da morte causada pela desobediência e lhe comunica vida eterna pela fé e obediência. Assim, a vontade de Deus vai se cumprindo, e todos os que se entregam a Cristo Jesus vão sendo reunidos sob o Cabeça. Estes desfrutam da vida, da graça, da autoridade, do amor e do poder que vem do Cabeça da Igreja.

Fazer Discípulos


Conforme escrevi acima, a Igreja, através da operação do Espírito Santo, é responsável pela expressão e realização da vontade de Deus diante da humanidade. Mas como isso acontece? Como podemos realizar o projeto de Deus e alcançar seu Supremo Propósito?

A única maneira é fazer discípulos. Um discípulo á alguém que crê em tudo que Jesus disse e faz tudo que Ele manda. É alguém que está aprendendo a ser como Jesus. Alguém que está convergindo para Cristo juntamente com seus irmãos.

É por isso que a única maneira de gerar discípulos é pela proclamação do evangelho do Reino, pois ele traz uma mensagem que estabelece Jesus Cristo como o Senhor da vida.

Mt 28:18-20 E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.

Essa é a estratégia de Deus para a realização do Seu Projeto Eterno. É o mandamento de Jesus que nos conduz ao cumprimento do Propósito Eterno de Deus. Essa é a tarefa da Igreja. Cada ser humano deve ser alcançado pelo evangelho do Reino, se tornar um discípulo e ser conformado à imagem e semelhança de Jesus.

Fazer discípulos envolve as tarefas de proclamar o Evangelho do Reino aos pecadores, batizar os que crerem e ensiná-los a viver como Jesus ordenou.

O Serviço dos Santos


O crescimento e a edificação da Igreja ocorrem através da obra de fazer discípulos. É assim que se põe em andamento o Projeto Eterno. À medida que a Igreja cresce e se aperfeiçoa, a família eterna é formada. Essa obra não é responsabilidade de alguns poucos irmãos consagrados ou mais experientes. Ela é realizada por todos os santos. Nenhum filho de Deus está isento dessa tarefa.

Todos São Sacerdotes


No Reino de Deus não existe uma casta sacerdotal privilegiada, responsável por fazer a obra espiritual e servir ao Senhor, separada da multidão de leigos que ouvem, observam e recebem as bênçãos. Todos nós juntos somos a família de Deus, uma nação de sacerdotes.

1Pe2:9 Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.

A fim de vermos o Propósito Eterno de Deus se cumprir, é necessário, orar, pregar o evangelho, batizar, ensinar os discípulos, cuidar deles, curar os enfermos, profetizar, testemunhar e todos nós somos convocados para essa obra. Somos cooperadores de Deus para o cumprimento do Seu Propósito.

Deus estabeleceu cada um de nós no Corpo de Cristo para servir conforme a graça específica que Ele concedeu a cada um. Ele nos capacitou com dons e talentos (1Co12:1-12) para sermos úteis na sua obra.

Ef 4:11-12 E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres, tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para o desempenho do ministério, para edificação do corpo de Cristo;

O texto acima é muito importante para entendermos como ocorre a obra de edificação da Igreja. Vemos que Deus deu ao corpo de Cristo apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.

• Com qual objetivo? ? o aperfeiçoamento dos santos.
• Aperfeiçoar os santos para que? ? para o desempenho do ministério
• Que ministério? ? a edificação do corpo de Cristo

A palavra “aperfeiçoamento no texto grego é "katartismos" e significa “reto ordenamento”. Essa é a função dos apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres. Eles devem ordenar corretamente os santos para que cada um desempenhe o seu ministério, a edificação do corpo de Cristo. Eles vão identificar os dons de cada um, a graça que cada um tem, as características de caráter e colocar cada um na posição adequada, com a tarefa adequada, ligado ao companheiro adequado para que o corpo seja bem ligado e ajustado para crescer e se edificar.

Quem desempenha a obra de edificação são os santos – os discípulos – à medida que cada um realiza a sua parte.

Ef 4:15-16 antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, do qual o corpo inteiro bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, efetua o seu crescimento para edificação de si mesmo em amor.

A colaboração de “cada parte” é importantíssima. Se eu ou você não fizermos nossa parte, o corpo ficara desajustado. Se apenas uma parte for negligente com a sua tarefa, o crescimento de todo o corpo será comprometido. Ninguém vai chegar ao alvo sozinho. Ou chegaremos todos juntos, como corpo, ou não chegaremos (mas sabemos que não chegar jamais será uma possibilidade para os filhos de Deus).

O Trabalho nas Casas


Dentro do Projeto Eterno de Deus, o principal centro de formação de discípulos são os lares. É no contexto da família que um discípulo aprende a ser família de Deus. Uma família de discípulos, totalmente entregue ao Senhor, passa a ser um foco de irradiação da vida de Cristo a todos a sua volta (parentes, vizinhos, amigos e outros mais) como igreja na casa (Rm16:4,14,15; 1Co16:19).

A igreja na casa, esse pequeno, mas importante componente da Igreja na localidade passa a trabalhar com os discípulos para edificação, serviço, ensino, multiplicação e comunhão; estando ligada a outras igrejas nas casas formando a Igreja na cidade.

At 2:41-47 De sorte que foram batizados os que receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas; e perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Em cada alma havia temor, e muitos prodígios e sinais eram feitos pelos apóstolos. Todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens e os repartiam por todos, segundo a necessidade de cada um. E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos.

É preciso que cada discípulo do Senhor Jesus compreenda sua responsabilidade dentro do Propósito Eterno de Deus. É necessária a cooperação de cada um. E todos precisam encarar o desafio, se preparar, se santificar, ser cheios do Espírito Santo, empregar seu tempo e sua vida na obra de formar discípulos para Jesus.

Devemos olhar firmemente para Ele, e Nele vermos claramente o Projeto Eterno de Deus. Devemos trabalhar constantemente para ver Cristo formado em cada discípulo para, em breve, vermos surgir um povo cheio do Espírito Santo e agradável a Deus. Um povo formado por famílias sólidas, estáveis, onde os casais convivam em harmonia e fidelidade, os solteiros se mantenham em castidade, os filhos respeitem os pais, as esposas sejam submissas os maridos e os maridos amorosos e responsáveis.

Um povo que saiba trabalhar, estudar, progredir, casar-se, comer, criar filhos, descansar, honrar os mais velhos, divertir-se, recrear-se; repartir com os necessitados, servir e sobre tudo ter um íntimo relacionamento com seu Pai celestial. Tudo que não coopera com o Propósito Eterno de Deus deve ser deixado para trás. E vamos em frete!

Fp 3:7-15 Mas o que para mim era lucro passei a considerá-lo como perda por amor de Cristo; sim, na verdade, tenho também como perda todas as coisas pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como refugo, para que possa ganhar a Cristo, e seja achado nele, não tendo como minha justiça a que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé; para conhecê-lo, e o poder da sua ressurreição e a e a participação dos seus sofrimentos, conformando-me a ele na sua morte, para ver se de algum modo posso chegar à ressurreição dentre os mortos. Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas vou prosseguindo, para ver se poderei alcançar aquilo para o que fui também alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos somos perfeitos tenhamos este sentimento; e, se sentis alguma coisa de modo diverso, Deus também vo-lo revelará.

Eu estou nessa!
E você?...